terça-feira, 19 de março de 2013

A Arte Renascentista

O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização europeia que se desenvolveu entre os séculos XIV e XV, época das grandes navegações. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse período muitos progressos e incontáveis realizações no campo das artes, da literatura e das ciências, que superaram a herança clássica.
Alguns autores dividem o período renascentista em quatro períodos, indo desde as suas primeiras aparições, paralelas ao estilo gótico do século XIII até o século XVI, a saber:
  • Duocento - 1200 a 1299 (séc. XIII)
  • Trecento – 1300 a 1399 (séc. XIV)
  • Quattrocento – 1400 a 1499 (séc. XV)
  • Quinquecento – 1500 a 1599 (séc. XVI)

O ideal do humanismo foi, sem dúvida, o móvel desse progresso e tornou-se o próprio espírito do Renascimento. Trata-se de uma volta deliberada, que propunha a ressurreição consciente (o re-nascimento) do passado, considerado agora como fonte de inspiração e modelo de civilização. Num sentido amplo, esse ideal pode ser entendido como a valorização do homem (Humanismo) e da natureza, em oposição ao divino e ao sobrenatural, conceitos que haviam impregnado a cultura da Idade Média.
São características gerais da arte renascentista:
  • racionalidade;
  • rigor científico;
  • dignidade do ser humano;
  • ideal humanista;
  • resgate e revalorização das artes greco-romanas.

Arquitetura

Na arquitetura renascentista, a ocupação do espaço pelo edifício baseia-se em relações matemáticas estabelecidas de tal forma que o observador possa compreender a lei que o organiza, de qualquer ponto em que se coloque. De acordo com Bruno Zevi, em seu livro Saber ver a arquitetura “Já não é o edifício que possui o homem, mas este que, aprendendo a lei simples do espaço, possui o segredo do edifício” (1989).

Principais características da arquitetura renascentista

  • Arcos de Volta-Perfeita.
  • Simplicidade na construção.
  • A escultura e a pintura se desprendem da arquitetura e passam a ser autônomas.
  • Construções; palácios, igrejas, vilas (casa de descanso fora da cidade), fortalezas (funções  militares)
Catedral Santa Maria del Fiore. Cúpula projetada por Filipo Brunelleschi,
Campanário por Giotto. Séc. VIII, Florença.

Filippo Brunelleschi (1377-1446) foi o principal arquiteto renascentista. É um exemplo de artista completo renascentista, pois foi pintor, escultor e arquiteto. Além de dominar conhecimentos de Matemática, Geometria e de ser grande conhecedor da poesia de Dante. Foi  como construtor, porém, que realizou seus mais importantes trabalhos, entre eles a cúpula da Catedral de Florença e a Capela Pazzi.

Pintura

Principais características da pintura renascentista
A Santíssima Trindade. Masaccio. Afresco,
667 cm × 317 cm, 1425, Santa Maria Novella, Florence.

  • Perspectiva: arte de figura, no desenho ou pintura, as diversas distâncias e proporções que têm entre si os objetos vistos à distância, segundo os princípios da matemática e da geometria.
  • Uso do chiaroscuro (claro-escuro): pintar algumas áreas iluminadas e outras na sombra, esse jogo de contrastes reforça a sugestão de volume dos corpos.
  • Realismo: o artista do Renascimento não vê mais o homem como simples observador do mundo que expressa a grandeza de Deus, mas como a expressão mais grandiosa do próprio Deus. E o mundo é pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente, e não apenas admirada.
  • Inicia-se o uso da tela e da tinta à óleo.
  • Tanto a pintura como a escultura que antes apareciam quase que exclusivamente como detalhes de obras arquitetônicas, tornam-se manifestações independentes.
  • Surgimento de artistas com um estilo pessoal, diferente dos demais, já que o período é marcado pelo ideal de liberdade e, consequentemente, pelo individualismo.

Principais pintores renascentistas na Itália

O Nascimento de Vênus. Sandro Botticelli. Têmpera sobre tela,
172.5 cm × 278.5 cm. 1483, Galleria degli Uffizi, Florença.
  • Sandro Botticelli (1444-1510) - os temas de seus quadros foram escolhidos segundo a possibilidade que lhe proporcionavam de expressar seu ideal de beleza. Para ele, a beleza estava associada ao ideal cristão. Por isso, as figuras humanas de seus quadros são belas porque manifestam a graça divina, e, ao mesmo tempo, melancólicas porque supõem que perderam esse dom de Deus. Obras destacadas: A Primavera e O Nascimento de Vênus. Veja mais obras desse pintor.
  • A virgem dos rochedos. Leonardo da Vinci.
    Óleo sobre madeira, 199cm cm × 122cm, 1486, Louvre, Paris.
    Leonardo da Vinci (1452-1519) - ele dominou com sabedoria um jogo expressivo de luz e sombra, gerador de uma atmosfera que parte da realidade, mas estimula a imaginação do observador. Foi possuidor de um espírito versátil que o tornou capaz de pesquisar e realizar trabalhos em diversos campos do conhecimento humano. Obras destacadas: A Virgem dos Rochedos e Monalisa.Veja mais pinturas desse artista.
  • Michelangelo Buonarroti (1475-1564) - entre 1508 e 1512 trabalhou na pintura do teto da Capela Sistina, no Vaticano. Para essa capela, concebeu e realizou grande número de cenas do Antigo Testamento. Dentre tantas que expressam a genialidade do artista, uma particularmente representativa é a Criação de Adão. Obras destacadas: Teto da Capela Sistina e a Sagrada Família. Veja mais pinturas desse artista.

A criação de Adão. Michelangelo Buonarroti. Afresco, 280 cm x 570 cm, detalhe. 1511, Capela Sistina, Vaticano.
  • Rafael Sanzio (1483-1520) - suas obras comunicam ao observador um sentimento de ordem e segurança, pois os elementos que compõem seus quadros são dispostos em espaços amplo, claros e de acordo com uma simetria equilibrada. Foi considerado grande pintor de “madonas”. Obras destacadas: A Escola de Atenas e Madona da Manhã. Veja mais pinturas desse artista.
A escola de Atenas. Rafael Sanzio. Afresco, 500 cm × 700 cm, 1506-10. Palácio Apostólico, Vaticano.

Renascimento no Norte Europeu

O Renascimento Italiano se espalhou pelo resto da Europa, trazendo novos artistas que nacionalizaram as idéias italianas. No norte europeu podemos destacar:
    Retrato de uma jovem mulher veneziana.
    Albrecht Dürer. Óleo sobre painel, 33x25 cm.
    Kunsthistorisches Museum, Viena, 1505.
  • Albrecht Dürer (1471-1528) - filho de um ourives húngaro que se instalou em Nuremberg, centro cultural da Alemanha durante o Renascimento, Albreht Dürer revelou seu talento para o desenho ainda menino. Dürer foi o primeiro artista alemão que concebeu a arte como uma representação fiel da realidade. Veja outras obras desse pintor.
  • Hans Holbein, o Jovem (1498-1543) – nascido na Alemanha, Holbein ficou famoso por pintar pessoas influentes de sua época. Em seus retratos há uma série de objetos que mostravam a personalidade e o poder econômico da pessoa retratada. Um de seus retratos mais famosos é o de Erasmo de Roterdã, padre holandês defensor do humanismo e autor de livros que propunham reformas na Igreja católica. Veja pinturas desse artista.
  • Pieter Brueghel, o velho (1525-1569) – foi considerado o maior pintor flamengo do século XVI. Apesar de viver em plena renascença, sua obra é bem diferente do ideal de perfeição renascentista. Ele desenvolveu um estilo próprio. Veja obras desse pintor.
  • Lucas Cranach (1472-1553) – quando jovem, Cranach passou vários anos no sul da Alemanha e na Áustria, onde descobriu a beleza do cenário montanhoso. Suas pinturas retratam cenas bíblicas e mitológicas quase sempre com paisagens nórdicas ao fundo. Veja pinturas desse artista.
  • Hieronymus Bosch (1450-1516) – pintor flamengo que ficou conhecido por representar em seus trabalhos cenas de pecado e tentação, recorrendo à utilização de figuras simbólicas complexas, originais, imaginativas e caricaturais, muitas das quais eram obscuras mesmo no seu tempo. Alguns autores o consideram um precursor de um movimento do século XX, o Surrealismo. Veja mais obras desse artista.

Tríptico O Jardim das delícias terrenas. Óleo sobre madeira, 220 cm × 389 cm, Museu do Prado, Madri.

Escultura

Davi. Michelangelo Buonarroti.
Mármore, 5,17 m. 1501-04,
Galleria dell'Accademia, Florença.
Em meados do século XV, com a volta dos papas de Avinhão para Roma, esta adquire o seu prestígio. Protetores das artes, os papas deixam o palácio de Latrão e passam a residir no Vaticano.
Ali, grandes escultores se revelam, o maior dos quais é Michelangelo, que domina toda a escultura italiana do século XVI. Algumas obras: Moisés, Davi e Pietá.
Outro grande escultor desse período foi Andrea del Verrochio. Trabalhou em ourivesaria e esse fato acabou influenciando sua escultura. Obra destacada: Davi (1,26m) em bronze.

Principais Características da escultura renascentista

  • Representação do ser humano tal como ele é na realidade.
  • Proporção da figura mantendo a sua relação com a realizada.
  • Estudo do corpo e do caráter humano.
  • Profundidade e perspectiva.

Para Saber Mais

  • A Capela Sistina foi construída por ordem de Sisto IV (retangular 40 x 13 x 20 altura). E é na própria Capela que se faz o Conclave: reunião com os cardeais após a morte do Papa para proceder a eleição do próximo. Lareira que produz fumaça negra - que o Papa ainda não foi escolhido; fumaça branca - que o Papa acaba de ser escolhido, avisa o povo na Praça de São Pedro, no Vaticano.

Interior da Capela Sistina. Vaticano.
  • Michelangelo dominou a escultura e o desenho do corpo humano maravilhosamente bem, pois tendo dissecado cadáveres por muito tempo, assim como Leonardo da Vinci, sabia exatamente a posição de cada músculo, cada tendão, cada veia.
Mona Lisa (A Gioconda). Leonardo da Vinci.
Óleo sobre madeira, 77 cm x 53 cm, 1503-06.
Louvre, Paris.
  • Além de pintor, Leonardo da Vinci, foi grande inventor. Dentre as suas invenções estão: “Parafuso Aéreo”, primitiva versão do helicóptero, a  ponte elevadiça, o escafandro, um modelo de asa-delta, etc.
  • Quando deparamos com o quadro da famosa MONA LISA não conseguimos desgrudar os olhos do seu olhar, parece que ele nos persegue. Por que acontece isso? Será que seus olhos podem se mexer? Este quadro foi pintado, pelo famoso artista e inventor italiano Leonardo da Vinci (1452-1519) e qual será o truque que ele usou para dar esse efeito? Quando se pinta uma pessoa olhando para a frente (olhando diretamente para o espectador) tem-se a impressão que o personagem do quadro fixa seu olhar em todos. Isso acontece porque os quadros são lisos. Se olharmos para a Monalisa de um ou de outro lado estaremos vendo-a sempre com os olhos e a ponta do nariz para a frente e não poderemos ver o lado do seu rosto. Aí está o truque em qualquer ângulo que se olhe a Monalisa a veremos sempre de frente.

2 comentários:

Celestino Agostinho disse...

tenho curiosidade quais sao as carateristicas dos periodos da arte do renascimento?

Magno Anchieta disse...

Caro Celestino. Obrigado por sua visita.
Alguns autores dividem o Renascimento Italiano em apenas 3 fases, porém isso não é um consenso (há também o Renascimento do Norte Europeu, que também tem suas diferenças). Alguns consideram a transição do Gótico para a Renascença como Pré-Renascimento, ou Duocento. Aqui vão algumas fontes que falam um pouco mais sobre cada período: http://luthama.blogspot.com.br/2007/11/divises-do-renascimento.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Renascimento
http://answers.yahoo.com/question/index?qid=20090616065134AA1FBe3
http://www.coladaweb.com/artes/renascimento

Espero que tenha ajudado. Volte sempre!